Mulheres no competitivo

A TAB Uol publicou uma matéria muito didática explicando a proporção que o e-sport vem ganhando no cenário mundial. Aproveitando o tema, cadê as mulheres nisso?
Pois é, assim como no futebol, a tendência é que alguns torneios sejam separados por sexo, como no jogo Counter Strike, por exemplo. Mas, qual a razão disto? O caso da Geovana do LoL nos mostra que o cenário competitivo pode sim apresentar mulheres de alto calibre. Ela argumenta que apesar de termos diferenças biológicas, a concentração exigida no LoL não interfere na jogabilidade quando trata-se de uma mulher. 
Sendo a primeira mulher do League of Legends no país, inscrita como suporte reserva da KaBuM! nessa temporada do Brasileiro de LoL, ela conta que ao atingir o nível Desafiante no jogo, começou receber maior visibilidade, tendo pessoas curiosas sobre a maneira como ela jogava, e assim, os convites e propostas começaram surgir. E nos dá esperança ao afirmar: "qualquer uma que invista o tempo e se torne boa o suficiente pode chegar onde eu cheguei. Por isso, não acho que eu estar no CBLoL seja 'um grande passo' para as mulheres. Era algo inevitável", garante :)

Fonte: Uol Jogos, Maio de 2015.